Gastronomia Floral

As flores têm propriedades médicas e terapêuticas. Na ayurveda, nas essências florais (do sistema Gotas do Infinictho, de Bach, mineiras…) sempre vemos essa aplicação. Durante muito tempo, observei que na gastronomia existia um subaproveitamento das flores apenas na decoração de pratos. Os cozinheiros pareciam até ter esquecido que as flores podem ser ingeridas e podem estar dentro das receitas de tortas, bolos, pães, massas… Que as flores podem dar sabor, cor, vitaminas às preparações, e não somente enfeitar. Isso sem falar no quesito emocional, no campo holístico. Existe uma riqueza muito grande nas propriedades terapêuticas florais.

Um dia eu estava em casa vendo fotografias antigas com minha avó e minha mãe e encontrei uma foto minha mexendo com panelinhas e dentro delas tinham várias flores, que havia colhido, na época, no jardim de minha casa. Como sou terapeuta floral do sistema gotas do infinictho, meu instinto aflorou na hora. Fiquei dias pensando nas inúmeras possibilidades que tinha em mãos. Como ninguém pensou nisso antes? Ou, se pensou, porque essa matéria é tão pouco divulgada no Brasil? Que tal unir as forças das flores aos alimentos e complementar com essências florais?

Fui pesquisar muito sobre o assunto e descobri muitas coisas interessantes. Vi que foram encontrados fósseis de rosas com mais de 25 milhões de anos e que as rosas podem ser mais antigas que a espécie humana! Me encantei com o fato de na Idade Média, algumas flores como a calêndula, serem utilizadas como corantes em caldos, em manteigas e em bolos. A tulipa, por exemplo, símbolo dos holandeses, foi usada como alimento durante a II Guerra Mundial.

Quanto mais eu entrava nesse mundo da gastronomia floral (nome que foi dado por uma amiga querida e fotógrafa brilhante, Livia Gameiro, diante da minha grande empolgação) mais eu chegava à conclusão de que era cada vez mais preciso me conectar com nossa ancestralidade, em tudo que ela tem de bom – resgatar o feminino por meio da natureza, resgatar nosso lado yin por meio das flores.

Ilustracao por kyung

Ilustracao por kyung

Então, resolvi trazer para a alta gastronomia todo o poder feminino das flores e florais e parar com essa história de que “flor só enfeita prato”! Tem gente que nem sequer sabe que podemos comer flores. Comecei um processo de cura e alquimia sem volta: iniciei preparações de ghee com flores de manjericão, coloração de pratos com flor de dália, preparação de tortas e sobremesas com flores de limão, geléias com cravíneas, risoto feito com capuchinhas, merengues com mix de flores…. E vou compartilhar toda minha experiência e pesquisa nesse novo mundo, aqui dentro desse blog.

Para dar mais poder ainda, potencializar a presença da flor na comida, acrescentei também as essências florais – tão queridas por mim – já que sou terapeuta do sistema Gotas do Infinictho, que por ser extenso o assunto, falarei mais adiante num post próprio. Já adianto alguns efeitos de cura das flores: flor de manjericão pode curar depressão, o gervão roxo pode curar traumas emocionais de infância (geralmente relacionados à prisão de ventre), flor de limão é indicado para pessoas amargas, azedas, que enxergam dificuldades em tudo e precisam tornar a vida mais doce.

Importante apenas ter em mente que algumas espécimes são proibidas na alimentação, podendo levar inclusive ao óbito! Portanto, antes de sair por aí colocando tudo quanto é flor no prato, preste atenção nesse detalhe – estude, estude, estude! Pesquise, pesquise, pesquise!

 

Comente!